Culture

O que é a foliculite? Entenda as causas, os cuidados e como se prevenir.


A pseudofoliculite da barba (pelos encravados) é vista principalmente em homens negros e mulatos, sendo os homens entre 14 e 25 anos de idade os mais afetados. O formato dos pelos nesses homens é o grande responsável, pois após se barbearem, a ponta do pelo fica afiada. Ao crescer, por causa de sua tendência a curvar-se, o pelo espeta a pele, penetrando-a e gerando a inflamação. Esticar a pele com a mão durante o processo de barbear é um outro grande problema: quando o homem solta a pele, o pelo barbeado acaba ficando mais curto e se recolhendo para dentro da pele. Ao tentar crescer, o pelo não consegue sair e “encrava”. 

Os pelos encravados podem gerar inflamação importante na pele com formação de pústulas e pacientes com tendência a tê-los podem ter numerosas lesões. Nesse momento, o dermatologista poderá prescrever cremes ou loções com propriedade anti-inflamatórias. 

O melhor tratamento para quem sofre de pelos encravados seja na região da barba ou no corpo é a depilação definitiva com laser ou luz pulsada. Todos os outros métodos depilatórios como uso de lâmina, cera ou eletrólise devem ser evitados, já que podem agravar o problema. Aparar os pelos com barbeador elétrico ou tesouras é uma possibilidade, lembrando que eles devem ficar com no mínimo 1 cm de comprimento (nesse comprimento já estão grandes e não irão mais espetar a pele). 

Caso a depilação a laser não esteja disponível e o homem não possa ficar sem se barbear, alguns cuidados podem ajudar a prevenir os pelos encravados:

- Usar esfoliante suave uma vez por semana na região da barba. No entanto esse procedimento deve ser evitado em caso de lesões inflamatórias, sob o risco de agravá-las. Deve-se procurar um dermatologista para trata-las; 
- Não esticar a pele com a mão durante o ato de barbear; 
- Barbear no sentido do crescimento do pelo; 
- Não passar a lâmina mais de duas vezes na mesma área 
- Lavar o rosto com água mornar e usar espuma ou gel de barbear; 
- Optar por um pós barba que não cause irritação na aplicação; 
- Caso lesões inflamatórias ocorram, usar a medicação prescrita pelo dermatologista

** Rodrigo Pirmez, dermatologista na clínica Dr. André Braz

É médico dermatologista com Graduação e Residência Médica em Dermatologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). É preceptor do ambulatório de Dermatologia da Santa Casa da Misericórdia – Instituto de Dermatologia Professor Rubem David Azulay. Atua em diferentes campos da dermatologia, em especial alopecias. Realizou treinamento em instituições especializadas em doenças dos cabelos e couro cabeludo - University of Miami, University of California San Francisco e Centre Sabouraud – Hôpital Saint-Louis (Paris). É autor de capítulos de livro e diversos artigos científicos publicados em revistas médicas nacionais e internacionais. Em 2013, foi premiado com a “Mentorship Program Grant” conferida pela North American Hair Research Society (NAHRS). Recebeu, também em 2013, prêmio concedido pela European Hair Research Society (EHRS) no 7th World Congress of Hair Research, em Edimburgo. É membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e European Hair Research Society.

Nenhum comentário

Deixe seu comentário! Prometo responder!